“Slow Attitude”: Um conceito a favor da produtividade e da qualidade de vida!

relógio

“Slow Attitude”

Há algum tempo li sobre um movimento iniciado na Europa chamado “Slow Food”, que defende em síntese, a ideia de comer e beber devagar saboreando e gastando um tempo junto à família e amigos. Uma ideia que se contrapõe ao ritmo americano caracterizado pelo “fast food”, uma opção de refeições rápidas para pessoas que geralmente estão correndo contra o tempo.

Todos saem ganhando. Empresas e colaboradores

Este movimento “Slow Food” gerou um outro maior chamado de “Slow Europe”, que levanta a bandeira do aumento da produtividade em menos tempo de trabalho. A empresa pode acelerar o retorno de investimentos e o colaborador ganha qualidade de vida.

Fiquei extremamente curiosa e fui pesquisar mais sobre esse tal movimento de “Slow Attitude”. A pesquisa dizia que os franceses estavam trabalhando 35 horas semanais e os alemães 28,8, de acordo uma matéria publicada há alguns anos na Business Week.

Pasme! Os franceses estão trabalhando menos e produzindo mais do que americanos e ingleses, com um aumento de 20% na produtividade.

Aí, alguém pode dizer que trabalhar menos não significa melhorar a qualidade de vida, mas quando pensamos no quão importante é gastar um tempo diário com a família, dar atenção aos filhos, poder almoçar tranquilamente na hora certa e poder concluir um trabalho sem estresse, precisamos reavaliar nossos conceitos.

Aqui no Brasil, trabalhamos em média de 9 a 12 horas por dia sem necessidade, na minha opinião. Já trabalhei mais de 14 horas por dia por conta do meu alto valor de responsabilidade, mas com uma melhor organização de agenda eu poderia ter trabalhado menos.

Considero tacanha essa ideia de que sair depois do horário caracteriza um bom colaborador. Considero inteligente apresentar resultados em virtude da responsabilidade assumida. Se vai sair no horário ou mais tarde, cabe a cada um ou a cada equipe avaliar a necessidade.

Será que um dia esse “movimento” pode ser validado no Brasil? Esta é uma pergunta que me faço todos os dias quando vejo notícias diárias sobre trânsito caótico, pessoas que levam mais de três horas para se deslocar, indo e voltando do trabalho etc.

Uma ideia ecológica

Uma ideia altamente ecológica para o nosso país, ainda mais, considerando os dias de hoje. Imagine uma hora a menos por dia por empresa:

  • Menos consumo de luz,
  • Menos consumo de água,
  • Menos uso de máquinas etc.

É possível reduzir a carga horária sem prejuízos e empresas brasileiras que estão adotando a ideia do “home office”, por exemplo, já constataram o aumento da produtividade de seus colaboradores.

Organização pessoal e administração do tempo

Além disso, é possível melhorar a organização da agenda e a administração do tempo. Se cada um fizer isso por conta própria, acredito em um “up grade” na produtividade e na qualidade de vida, até mesmo sem a redução da carga horária. Pelo menos você não precisará sair depois do horário ou quem sabe você até conseguirá sair mais cedo!

Dar uma parada para tomar um cafezinho e bater um papo é importante para dar aquela “respirada” e voltar ao trabalho, mas observe se isto não está sendo excessivo durante o dia. A organização pessoal e da agenda é muito importante para que você consiga entregar resultados ao final do dia.

Não sei se com você é assim, mas quando eu apresento resultados, eu me sinto mais feliz.

Quando conseguimos nos organizar, trabalhamos mais focados, almoçamos na hora certa e com qualidade, apresentamos resultados e somos mais reconhecidos.

“Fast food” só de vez em quando e quando der vontade!

Enquanto esse conceito “Slow Attitude” não é aderido aqui no Brasil de uma forma geral, acredito que se cada um de nós buscar se organizar melhor e com foco, seu trabalho poderá ser mais produtivo, trazer muita satisfação e qualidade de vida.

Esse artigo foi útil para você? Deixe sua opinião nos comentários abaixo!

Ghislaine Sandri

About Ghislaine Sandri

Diretora da Future-se, Personal & Professional Coach membro da Sociedade Brasileira de Coaching (SBC). Formada em Turismo, com especialização em Marketing, tem vivência como líder nas áreas administrativa, marketing e hotelaria e é apaixonada por temas como: Desenvolvimento Humano, Gestão de Pessoas, Comportamento, Coaching, Liderança e Endomarketing.

Leave a Reply