Quando passam por cima da sua liderança

dominó

Liderança! Um dos assuntos pelo qual sou apaixonada. Muitas pessoas são verdadeiros líderes mesmo sem possuírem o cargo ou até mesmo atribuições de líder. São aquelas que rapidamente se destacam em uma equipe por terem atitudes com valores ligados a unidade do time.

Por outro lado, há pessoas escolhidas para serem líderes, mas não agem com tal. Comportam-se como “chefes”.

Acredito que a maioria sabe a diferença entre líder e chefe, mas só para a gente alinhar as ideias, em síntese podemos dizer que:

O LÍDER

  • Inspira sua equipe a crescer e a produzir, e vai junto,
  • É admirado,
  • É seguido,
  • É exemplo,
  • Não é autoritário e centralizador,
  • Não ordena pelo poder, mas tem autoridade para tomar decisões (diferente de autoritarismo),
  • É confiável e seus liderados se sentem à vontade para expor ideias,
  • Na ausência de um liderado, ele coloca a “mão na massa”.

O CHEFE

  • Ainda existe

Como conceito, é o oposto do líder. Possui atitude autoritária, não permite que a equipe se desenvolva e depois cobra resultados para “apagar incêndios”.

Ainda há quem utilize esta nomenclatura – CHEFE – para cargos, e eu não tenho nada contra, contanto que seja apenas relativo ao nome do cargo. Porque aqui entre nós, quando falamos em atitudes, essa coisa de chefe já está mais do que ultrapassada.

Hoje a nossa reflexão é sobre algo ainda muito comum dentro de algumas empresas, senão a maioria.

O que você faz quando passam por cima da sua liderança, principalmente se é o seu superior imediato?

Para “aparecer bem na foto”, algumas empresas já estão atualizando a nomenclatura de cargos de chefe para líder, mas na verdade, parecem não ter conhecimento de como os processos de trabalho vêm acontecendo.

Você é contratado para liderar uma equipe, mas depois de um tempo você descobre que o que seu líder, ops, chefe imediato, espera de você, é que você chefie uma equipe já desgastada e rebelde. Competente e líder que é, você faz um trabalho bacana para conquistar a confiança do time e os resultados começam a aparecer.

No meio de uma determinada crise, seu “líder” te chama e exige que você tome uma atitude sobre a equipe, que não condiz com sua forma de liderar. Você precisa obedecer a ordem, mas procura agir de acordo com valores e espírito de equipe.

Por vaidade, impaciência ou sei lá o que é, seu superior vem com ordens autoritárias diretamente sobre sua equipe e põe tudo a perder, passando por cima da autoridade que ele mesmo te delegou.  Obviamente que você fica “P” da vida, mas precisa contornar a situação. Você pensa: “ Por que ele não falou comigo primeiro? ” Sim, vocês poderiam juntos buscar uma solução, mas não se iluda, o mercado ainda está cheio de chefes.

E aí? O que você faz?

A tal ordem dada por ele acarretou em desmotivação na sua equipe e você se vê tentado a dar desculpas, pensando em dizer que a ordem veio de cima e que você não pode fazer nada. Se você já se viu em uma situação parecida, saiba que esse não é o melhor caminho. Um verdadeiro líder, mesmo enquanto liderado, faz de tudo para manter a motivação e o “espírito de equipe”.

Se você mantiver uma postura firme e íntegra, não precisará ficar dando desculpas para sua equipe e terá grandes chances de remotivá-la. O retrabalho é desgastante, eu sei, mas aí você mentaliza um “F” bem grande e segue em frente. Calma! “F” de foco, ok? rsrs

Quanto ao seu chefe, se tiver um mínimo de abertura, converse, mostre que você conta com mais autonomia e que acredita que ele queria ajudar, mas que desta forma os resultados ficaram comprometidos. Na diplomacia, vale um “deixa comigo da próxima vez”. Demonstre que você e sua equipe têm garra para recuperarem os resultados perdidos.

Agora, se você não tem essa abertura e já tentou várias vezes contornar situações como esta, reflita sobre o quanto isso te afeta e busque ajuda para evitar tomar decisões precipitadas. Quem sabe com um processo de coaching?! Sou suspeita para falar, mas posso dizer por experiência própria, que foi através do coaching que eu descobri meus verdadeiros valores e aprendi a respeitá-los, mesmo quando o mundo à volta me dizia para fazer outra coisa. A partir dessa redescoberta, pude experimentar uma grande transformação na minha carreira.

Esta situação é válida também para outras relações de negócios, onde alguns brigam pelo poder de ter suas vontades satisfeitas. Talvez a questão de hierarquia não esteja envolvida neste caso, mas se o cara com quem você está negociando é impregnado dessa postura de chefe, o estresse é bem parecido. Como diz o Mario Sergio Cortella:

“Um poder que se serve, em vez de servir, é um poder que não serve”

Fique firme!

Você já se viu em alguma situação parecida? Como lidou com isso?

Aproveito e te convido para conhecer meu projeto Future-se na Carreira com a Estratégia do Mapa F10, onde ajudo pessoas a encontrarem respostas e alcançarem objetivos em suas carreiras.

Acesse Future-se na Carreira e cadastre-se para ganhar uma sessão gratuita de coaching por Skype. Será um prazer conhecê-lo(a) e bater esse papo com você.

Um forte abraço!

Ghislaine Sandri

Ghislaine Sandri

About Ghislaine Sandri

Diretora da Future-se, Personal & Professional Coach membro da Sociedade Brasileira de Coaching (SBC). Formada em Turismo, com especialização em Marketing, tem vivência como líder nas áreas administrativa, marketing e hotelaria e é apaixonada por temas como: Desenvolvimento Humano, Gestão de Pessoas, Comportamento, Coaching, Liderança e Endomarketing.

Leave a Reply