O que posso fazer para tornar meu dia mais produtivo?

executivo - produtividade

O que posso fazer para tornar meu dia mais produtivo?

Você já se deu conta de que algumas pessoas parecem ser mais produtivas que outras? Já parou para analisar o porquê?

Listei aqui, quatro pontos que considero relevantes para a produtividade nas atividades diárias:

  1. Prioridades
  2. Talentos
  3. Motivação
  4. Responsabilidade

Prioridades! Todos sabem que são aquelas atividades mais importantes e as primeiras a serem cobradas. Entregar resultados dia a dia e ser cobrado é algo que pode motivar alguns e desanimar outros. Quando você está com sua agenda em dia, entregar resultados poderá ser cada vez mais motivador e talvez você esteja tão adiantado que nem sofrerá cobranças, mas se sua agenda está do tipo “apagando incêndio”, aí você corre o risco de ser cobrado e ainda entregar resultados insatisfatórios. O primeiro passo é reorganizar a agenda diária, mas para isso, torna-se necessário analisar os outros pontos seguintes.

Talento! Eu considero que este seja um importante pilar da produtividade. O que é um talento? Não é minha intenção aqui, apresentar o melhor e mais correto conceito, e vou me atrever à considerá-lo uma paixão. Sim, todos nós temos algum tipo de paixão. Alguns tem paixão por futebol, outros por animais de estimação, outros por cinema, outros por ensinar, outros por criar peças publicitárias e por aí vai. Seja observando ou executando, o talento é algo como uma marca impressa em nós, como uma paixão. Algo que por muitas vezes não conseguimos definir em nós mesmos. E onde entra o talento na minha produtividade?

Observe! Uma pessoa que tem paixão por futebol, é alguém que pelo menos se interessa pela técnica da “coisa” e durante uma partida de futebol saberá porque aquele gol estava impedido. Ela pode então, possuir um talento para analisar, bolar estratégias, sugerir mudanças etc.

Pense agora na importância do trabalho do seu “office boy”. Ele lida diariamente com as prioridades que você estabelece e você tem a expectativa de que ele consiga resolver tudo. Penso que um cara com uma “manha” de futebol, por exemplo, tem condições de planejar o seu próprio dia de trabalho analisando horários bancários, conseguindo acesso à sala daquela secretária difícil para conseguir a assinatura em um documento importante, e ainda sugerir melhores trajetos para ele mesmo percorrer, onde você  economizará com despesas de transportes.

Mas tem um detalhe importante! Ele talvez não tenha descoberto ainda que este seu talento pode ser utilizado para o trabalho. De repente pra ele, futebol é uma coisa e trabalho é outra. E ele não está errado, partindo do princípio que ele aprendeu assim: Não misturar lazer com trabalho. E é aí que você pode colaborar, mostrando em um bate papo descontraído sobre futebol, que você reconhece esse talento nele e que bacana seria se ele utilizasse isso para tornar o seu dia mais produtivo. Eu fico imaginando a alegria do cara em, primeiro estar batendo um papo descontraído com seu líder e ainda mais sobre futebol que é a sua paixão, depois por saber que seu líder acredita em seu potencial. Isso é motivador, concorda?

Analise seu talento, sua paixão, e experimente seus pontos fortes no dia a dia. Agora bem clichê: Quando você gosta do que faz, você produz muito mais! E não é verdade?

O fato é que nem tudo que a gente faz pode ser apaixonante. Então, penso que é altamente positivo investir alegria nas coisas inerentes aos nossos talentos. Faz sentido? E o que fazemos com as atividades que consideramos chatas?

No coaching trabalhamos com uma ferramenta para a administração do tempo. Com ela, o coachee descobre que é possível reorganizar a agenda e tornar o dia mais produtivo, mesmo em meio às atividades menos apaixonantes.

Motivação! Um ponto também importante. Quando a base de uma atividade é o talento e a paixão, nos sentimos mais motivados e queremos fazer mais. O contrário também é verdadeiro, pois quando estamos motivados, realizamos as atividades com mais paixão.

A motivação é um assunto que está para além das palestras motivacionais e do tapinha nas costas. Tem sua importância quando estamos auto motivados, mas para isso precisamos primeiramente acreditar no que fazemos ou no que vendemos, e também acreditar que fazemos parte, seja de um projeto ou de uma empresa.

Delegar e dar autonomia tem sido um grande desafio para a “nova liderança”. A liderança que abomina o autoritarismo e consegue enxergar o verdadeiro valor de um colaborador, motivando-o para o crescimento.

Responda para si mesmo: Como você se sente quando alguém acredita em seu potencial e mesmo quando você dá um passo errado, esse alguém está ali do seu lado para resolverem juntos? Motivado à persistir em acertar? Assim pode acontecer com as tarefas diárias. Um dia você poderá executá-las sem excelência, mas não estará desmotivado e saberá que tem outra chance de dar o seu melhor.

Responsabilidade! Sem mais delongas, na responsabilidade está implícita a necessidade de entrega. A entrega pessoal e a entrega de resultados. Quando entregamos um excelente resultado ao final do dia, certamente valorizamos estes quatro pontos.

  • Priorizamos atividades importantes quando as organizamos melhor na agenda;
  • Damos o melhor de nós quando usamos toda força de nossos talentos;
  • Nos motivamos com a credibilidade de nossos líderes e de nossos liderados, e também com a paixão no que fazemos e para quem fazemos;
  • E por fim, tendo responsabilidade sobre as atividades que nos são delegadas. Melhor ainda quando conseguimos entregar resultados acima das expectativas.

Quem não vai querer repetir um dia de sucesso?

Ghislaine Sandri

About Ghislaine Sandri

Diretora da Future-se, Personal & Professional Coach membro da Sociedade Brasileira de Coaching (SBC). Formada em Turismo, com especialização em Marketing, tem vivência como líder nas áreas administrativa, marketing e hotelaria e é apaixonada por temas como: Desenvolvimento Humano, Gestão de Pessoas, Comportamento, Coaching, Liderança e Endomarketing.

Leave a Reply